Inteligência artificial desenvolvida pela Ford e Baidu

A Ford afirmou na última quarta-feira que, surpreendentemente, desenvolverá tecnologia de inteligência artificial e conectividade inteligente em carros.

A fim de esclarecimentos e contratos, a estadunidense assinou uma carta de intenção com a empresa chinesa Baidu. Antes de mais nada, salvo posteriores mudanças, as duas embarcarão no desenvolvimento da inteligência artificial.

A montadora é hoje, primordialmente, a segunda maior montadora dos Estados Unidos da América. A saber, ela informou que desenvolverá novos sistemas de informação e entretenimento para veículos. Fora isso, também serão criados serviços digitais baseados no sistema de interação por voz DuerOS, da Baidu. Tudo isso projetado, sobretudo, para os proprietários de veículos Ford na China.

Ainda assim, questões financeiras não foram divulgadas.

Como parte de nossa estratégia ‘Na China, Para a China’, esperamos trabalhar de perto para oferecer produtos e soluções inteligentes. Assim, poderemos tornar a vida das pessoas mais fácil e agradável” Peter Fleet, presidente da Ford Ásia Pacífico.

Precipuamente, o DuerOS servirá como permissor aos proprietários para que possam comandar e se comunicar com seus veículos. Assim, utilizarão linguagem natural e permitirão que as pessoas acessem facilmente suas informações e serviços.

Não apenas, mas as empresas criarão também uma espécie de laboratório conjunto de conectividade. Isso para estudar oportunidades de inovação em negócios automotivos e de mobilidade na China. E, claro, não deixarão de explorar a computação em nuvem.

Por fim, as duas pretendem avaliar tecnologias e big data para explorar oportunidades relacionadas ao marketing digital direcionado.

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Chevrolet S10 Midnight aposta no visual sombrio

Surpreendentemente a Chevrolet S10 aderiu à onda de versões monocromáticas (como na cor preta) que tomou conta da indústria automotiva por agora. A moda pode ser vista em modelos como o Jeep Compass Night Eagle e a Fiat Toro Black Jack.

Principalmente a versão Midnight. Essa custa R$ 166,6 mil e fica entre as versões LT (R$ 150 mil) e LTZ (R$ 176 mil).

Veja mais em:

Anteriormente, os visuais limpos e claros eram atrativos. Mas, enquanto isso, hoje em dia o sombrio é o principal diferencial. Foram vários os detalhes escurecidos em preto na nova Chevrolet S10, incluindo as rodas de liga leve de 18″ e a tradicional gravata dourada.

Na parte interna a picape tem ainda apliques em preto brilhante e aço escovado. Um dos detalhes podem ser conferidos na plaqueta colada na porta do motorista.

Na então baseada versão do LT, a picape conta com motor 2.8 turbo diesel de 200 cv. Esse, é associado à transmissão automática de seis velocidades.

Ele já sai da fábrica com tração 4×4, controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas e muito mais. Direção elétrica progressiva, central multimídia com suporte Android Auto e CarPlay. Sistema de concierge e monitoramente OnStar, sensores de estacionamento traseiro, vidros e travas elétricas.

É potente, rápido, pouco ruidoso e muito estruturado. Já pensou conduzir uma máquina como esta?

Fonte: Carros UOL

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

CET testa radar móvel com câmera em viaturas

Ao passo que novas tecnologias vão se desenvolvendo, esperamos que no futuro um agente acompanhe os motoristas e seja responsável por aplicar multas pelo celular. As imagens chegarão à central da CET e não terá o pode de autuação.

De abril a agora, 300 multas já teriam sido aplicadas se o sistema estivesse em funcionamento. Entre as infrações registradas pelo carro-teste da CET, encontramos: mudança de faixa sem sinalização, uso do corredor de ônibus e conversão proibida. Também será possível flagrar desrespeito ao rodízio e outras infrações.

Estamos testando, vendo a qualidade da imagem, do movimento. E a infração precisa ser presenciada por um agente. Não é que a câmera vai gravar e depois o agente vai ver para multar.

A CET conta com 700 carros para operação diária no trânsito. A ideia é que 450 tenham câmeras de fiscalização, bem como estejam em plena circulação pelas vias. Os testes seguirão até o fim de julho.

Veja mais em:

As câmeras vão registrar, além disso, os problemas na sinalização das vias. Faixas de pedestre apagadas, lombadas ruins, placas em más condições e afins. Mas a ideia é, também, conseguir avisar sobre problemas com buracos e entulhos, por exemplo. Porém, esse ainda não é o objetivo principal.

Será sempre aplicada em tempo real. Isso tudo com a finalidade de melhorar cada vez mais o trânsito”, diz o secretário municipal dos Transportes, João Octaviano Machado Neto.

Ainda que durante os testes, a CET estuda quais infrações serão aplicadas pelo novo sistema e qual a tecnologia adotada pelos carros. Porém, o edital da licitação para implantação será lançado somente no segundo semestre do ano.

Além de flagrar e multar os motoristas que cometerem as infrações, as câmeras terão, também, outra função. Elas serão utilizadas amplamente para a proteção dos funcionários que trabalham nas ruas e coibirão agressões.

Fonte: Folha de São Paulo

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Recarga de carros elétricos no Brasil finalmente é regulamentada

Em primeiro lugar, já podemos comemorar com a regulamentação do serviço de abastecimento de carros elétricos no Brasil! Finalmente teremos uma regulamentação mínima do tema e a eliminação de barreiras para a tecnologia.

Depois que percebemos que a tecnologia estava se tornando amplamente difundida no exterior, o Brasil finalmente decidiu adaptá-la à nossa realidade. Com essa série de novos regulamentos sobre os carros elétricos, aceleraremos o desenvolvimento dessa operação por aqui.

Todas as informações foram prestadas e esclarecidas pela Aneel, a Agência Nacional de Energia Elétrica. O anúncio foi feito na tarde de hoje.

Em outras palavras, os postos de combustíveis, distribuidoras e até shoppings contaram com serviço de recarga de carros elétricos e híbridos. A recarga acontece em pontos alocados e é transmitida por plugins. Mas, o valor ficará por conta do dono do empreendimento a estabelecer.

Foram 14 meses em estudos e discussões técnicas de diferentes companhias e setores. Geradoras, distribuidoras de energia e empresas de outros sub-segmentos também foram incluídas na reunião.

Ainda assim, a Aneel afirmou que a regulamentação sobre o tema ainda é mínima. Dessa forma, prevê a atividade livre, sem tarifas comerciais ou residenciais fixadas. O mercado se auto regulará, diferente do que acontece com os combustíveis como gasolina, etanol e diesel – por exemplo.

Na prática, qualquer empreendedor poderá instalar um ponto de recarga. Assim, pagará à distribuidora pela energia que consumir – como um imóvel e seu respectivo medidor.

A base serão tarifas já cobradas hoje em dia, anteriormente definidas pela Aneel. Mesmo assim, o dono do ponto é quem cobrará do cliente o valor que entender como justo.

Fonte: Carros UOL

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Peugeot e a crise histórica no Irã

Enquanto a gente se depara com o complexo histórico de negociações comerciais do Irã com o Ocidente, a dúvida é sempre a mesma. Como é possível entender essa história? Se você tem interesse em entender o que aconteceu, comece pelo Peugeot 405.

Surpreendentemente, o carro quadrado da montadora francesa está em todo lugar pelo país asiático. Mas, a história conta com vários altos e baixos; o que nos mostra que fechar negócios ali pode ser muito conturbado.

Ainda que centenária, a Peugeot só atingiu o mercado iraniano durante a década de 90. Tudo aconteceu devido a uma parceria com a Iran Khodro, montadora ligada ao governo nacional. Em 2012 tudo acontecia em pleno funcionamento, onde a Peugeot liderava em 30% o mercado.

O país era uma importante fonte de renda e, na época, um Peugeot na garagem era ostentação.

Mas, inesperadamente, o assunto mudando quando os EUA, União Europeia e Onu impuseram suas sanções. Essas, forçaram o Irã a reduzir os programas nucleares. As multinacionais foram proibidas de operar no território e, em conjunto, a Peugeot foi por água abaixo.

Veja mais em:

Em 2015, um acordo mudou tudo, de novo. Como resultado, o Irã assinou o acordo nuclear e, se seguisse as restrições do programa, teria o investimento estrangeiro de volta. A oportunidade era incrível e a Peugeot não perdeu tempo para tirar vantagem.

Em 2016, com o intuito de voltar a crescer, a francesa recomeçou os investimentos junto com a montadora iraniana. Os negócios começaram a fluir de novo e o acordo os ajudou a dobrar as vendas durante o ano.

Porém, agora que os Estados Unidos abandonou o acordo com o país asiático, muito provavelmente as montadoras enfrentarão problemas. E o Irã, cuja história é tão ligada à Peugeot, pode voltar a se tornar um país inacessível.

Fonte: UOL

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.