Greve dos caminhoneiros afeta rodízio em SP

Surpreendentemente o rodízio municipal de veículos foi suspenso hoje. O ocorrido se deu em virtude da greve dos caminhoneiros pelo país. A manifestação afetou o abastecimento de combustível nas distribuidoras e o sistema municipal paulista de transporte.

Ao passo que a greve dos caminhoneiros não era normalizada, a  Prefeitura de São Paulo informou em nota que 40% da frota de ônibus da cidade não deve circular.  Na noite de ontem, muitos motoristas foram até os postos para abastecer seus veículos. Com efeito do início da greve, os preços estavam muito mais altos do que o normal.

A  Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes determinou que a SPTrans e CET reforçassem suas equipe de rua. Dessa forma, as vias teriam mais orientadores para auxiliar os motoristas e passageiros quanto às mudanças.

Nesse hiato, o sindicato que representa as empresas de ônibus de SP afirmou que a maior parte das companhias têm combustível para circular por somente mais um dia.  A SPUrbanuss, ao qual 14 empresas concessionárias são associadas, têm apenas oito com reserva de diesel suficiente. Mas, as outras seis, contam com estoque suficiente para manter a operação em circulação até sexta-feira.

Nesta quinta-feira os ônibus estão fazendo viagens mais curtas e com finalização mais cedo. Algumas empresas estão circulando com o combustível extra que ainda têm. Os carros que operam em longas distâncias estão rodando com o tanque cheio.

A previsão, por parte do sindicato, é que se o abastecimento não se normalizar, na sexta-feira muitas empresas não conseguirão circular com seus ônibus. A Secretaria de Segurança Pública emitiu uma nota em que afirma:

“A Polícia Militar informa que adotou as medidas necessárias para liberação dos caminhões de combustíveis. Estes abastecerão os ônibus utilizados nos transportes públicos do Estado de São Paulo.”

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

General Motors e chineses com nova linha sul-americana

Surpreendentemente, a General Motors está preparando uma nova família de carros de baixo custo. A dona da Chevrolet afirma que a campanha está sendo preparada para o lançamento em 2019, na China e América do Sul.

Ao propósito que o novos veículos para Mercados Emergentes Globais sejam lançados, esse terão uma boa incrementada da marca. A linha inclui não apenas sedãs como também crossovers [contendo diversas características] de todos tipos.É provável que o lançamento aconteça no 2º semestre de 2019, com produção anual de até 2 milhões de unidades – até 2021.

O desenvolvimento está acontecendo, antes de mais nada, em parceria com a SAIC Motor. Essas afirmações foram prestadas pelo vice-presidente financeiro da General Motors, Chuck Stevens.

Além disso, a empresa afirmou ainda que a montadora obteve lucro acima do esperado para o 1º trimestre do ano. Cerca de US$ 1,05 bilhão de dólares foram somados ao caixa da empresa. Ainda assim, isso corresponde a 60% menos do que o obtido 1 ano antes.

De acordo com Stevens, o resultado foi impactado pelos mais de meio milhão de dólares gastos entre janeiro-março. A quantia foi injetada no desenvolvimento da nova linha de carros e adaptação das fábricas. O fato reduziu a produção de veículos como picapes e semelhantes, que carregam consigo margens elevadas de lucro.

Acima de tudo, a General Motors afirma que o lucro de 2018 ficará estável ante 2017. Mas antes de mais nada, espera-se que as novas picapes possam impulsionar as margens entre o final do ano e 2019.

A montadora está apostando na região do Brasil e Argentina. A presidente-executiva, Marry Barra, afirma que a empresa tem uma ‘franquia forte’ na América do Sul. A expectativa é de que os novos veículos para os mercados emergentes contribuam para o lucro.

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Como escolher um bom carro usado

A compra de carros usados de até 8 anos subiu 4% em 2017. Foi a segunda faixa etária mais negociada, perdendo somente para os seminovos – de até 3 anos de uso. Como escolher corretamente um veículo com essa idade?

Um veículo de seis anos tem entre 50.000/60.000 km rodados em média. Dependendo da marca e modelo, a necessidade de manutenções nesta quilometragem é decisiva para fechar negócio.

Há muito itens para prestar atenção. Veja alguns dos mais importantes na lista abaixo.

Pneus

São substituídos entre 30.000/40.000 km. Há porém aqueles que trocam somente os dois pneus em pior estado de conservação. Verifique atentamente o estado dos cinco pneus, inclusive o estepe.

Amortecedores

Depois dos 30.000 km rodados, os amortecedores vão perdendo sua ação. Se o carro estiver com alta quilometragem e essas peças ainda não foram substituídas, considere esse gasto. Troca de pneus e amortecedores costumam custar R$ 3.000.

Correia dentada

Não ultrapasse três anos de uso ou 50.000 km com a mesma correia. Inclusive, cobre a nota fiscal da troca para o vendedor. Esse item não deve ser negligenciado. Essa peça vencida pode prejudicar seu cabeçote e até o motor.

Superaquecimento

Dê uma boa olhada e procure nas conexões das mangueiras, ao lado da válvula termostática, no radiador e ao lado da tampa amarela do reservatório de água do motor por manchas rosadas ou avermelhadas. Esses sinais indicam vazamentos ou mau funcionamento do sistema.

Embreagem

Se o câmbio for automático, dê uma volta com o carro. A embreagem desgasta muito mais rápido e há muito mais incidência de problemas no módulo gerenciador nesses automóveis.

Lembre-se também que a embreagem de um câmbio automatizado é mais cara que a embreagem de câmbio mecânico.

Câmbio automático

É mais confiável, mas faz com que a troca do óleo hidráulico aconteça antes dos 50.000 km. É um serviço especializado, que precisa de profissionais habilitados. Uma simples troca de óleo pode se tornar um grande prejuízo.

Em um veículo com mais de 80.000 km essa substituição é imprescindível para evitar a perda de pressão interna do câmbio.

Direção hidráulica

Verifique ruídos ou vazamentos. Reparos na caixa ou bomba de direção hidráulica podem custar R$ 2 mil reais nos nacionais. E até R$ 4 mil em importados. No test-drive você pode verificar tais ruídos.

Se há algum vazamento, leve o carro ao mecânico. Um bom indício para problemas é se o nível do reservatório da direção hidráulicas estiver baixo.

Atente-se para noções importantes aos carros usados

As notas fiscais de manutenção e carimbos de revisão no manual são imprescindíveis no momento da negociação de um carro usado. Elas mostram quais serviços foram realizados e quais serão os problemas futuros.

Para você que está vendendo, é de bom grado oferecer uma vistoria veicular ao comprador. Mostre a ele que o seu veículo não possui graves problemas. Na Mais Visão, por exemplo, você pode encontrar esse tipo de serviço.

 

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Crédito para carros mais baratos está se recuperando

Devido a crise e suas complicações, os carros mais baratos foram os maiores prejudicados. Isso aconteceu porque o público-alvo de sua compra, os consumidores de menor renda, sofreram mais. A alta no desemprego associada à restrição de crédito para carros culminou no menor pode de compra.

Agora, com o Brasil se restabelecendo da crise e voltando a gerar empregos, o cenário mudará. A maior oferta de crédito para carros tem chegado aos mais pobres de forma lenta, mas crucial. A oferta é muito mais rápida para os mais ricos, mas disso já sabemos o porquê.

Está havendo um retorno gradual do consumidor de baixa renda ao mercado de veículos. E isso está sendo possível graças ao crédito”, afirma o consultou especializado no setor automotivo, Valdner Papa. Ele é ainda o presidente da ConsultMotors.

No fim disso tudo, o resultado é que o segmento mais barato do mercado voltou a crescer. Ou seja, os carros de entrada, ainda que com certo atraso sob os segmentos de carros mais caros, estão se reerguendo no cenário nacional.

O financiamento de crédito para carros de entrada subiu 3,3% em setembro sob agosto, de acordo com dados provindos pela B3. A consequência é que a participação desses carros nos financiamentos subiu de 20% para 24% na mesma comparação.

A melhora fez com que a taxa de aprovação dos financiamentos para os automóveis de todos os segmentos (que durante a crise caiu para três, a cada dez pedidos), desse um primeiro passo e chegasse a 40%.

Fonte: Isto é Dinheiro

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Cangurus: o pesadelo dos carros autônomos

Eis que, como se já não fossem suficientes os obstáculos que os carros autônomos precisam atravessar, aparece mais um. As equipes de montadoras deram conta de se preocupar com uma situação peculiar: os cangurus.

As adversidades acometidas ao desenvolvimento do projeto autônomo de nada se compara com as dificuldades que podem ser encontradas durante a circulação desses automóveis.

Qual o problema com os cangurus?

Esses animais, tipicamente encontrados em países como a Austrália, fazem com que o sistema de detecção de objetos se desregule. Esse sistema identifica objetos e obstáculos móveis, mas não sabe lidar com a presença dos cangurus. Essa falha pode ocasionar diversos acidentes por lá, ainda mais quando um desses bichinhos atravessa a estrada de frente com o automóvel.

Algumas empresas já se pronunciaram junto de seus especialistas, assim como a Volvo. O que ela afirma é que a movimentação em saltos faz com que, por frações de segundo, o sensor não saiba onde ele está. Com isso, o sistema não identifica o local de ‘pouso’ desses animais e se auto desregula.

Desta forma, quando o sensor erra o posicionamento, pode demonstrar que os cangurus estejam mais longe ou perto. Se um humano se movimentar próximo ao automóvel autônomo, o software detectará o padrão de caminhada e a forma física da pessoa. Um vídeo produzido pela ABC fala mais sobre o caso dos cangurus, que você pode assistir clicando aqui.

Quanto ao problema, fiquem tranquilos. A equipe Volvo já está trabalhando na identificação e solução dessa falha na identificação dos animais. A equipe está empenhada a evitar eventuais acidentes ou futuros erros no sistema.

Ainda assim, a situação tem sua parcela de curiosidade. Ela demonstra que eles podem ter problemas com veículos e animais específicos de algumas regiões. No Brasil, por exemplo, já imaginou estar dirigindo por áreas florestais e encontrar com um macaquinho? Isso renderia uma baita confusão…

 

 

Fonte: Tecmundo.

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.