Novos carros do Mundial de F1 geram ânimo

Houve um período na temporada 2017, Mundial de F1, que a Williams tinha Felipe Massa puxando um bonde inteiro. Ele contava com Lance Stroll, quase sem entrar na zona de pontuação.

O tempo passou e o companheiro estava apenas um tento atrás na classificação. Massa foi ao Japão, onde subiu duas vezes ao pódio animado para testar seu carro de 2017 por lá.  Já na semana da corrida, Massa decidiu curtir o ambiente e esquecer o duelo interno.

As pistas que guardam as curvas mais rápidas, como  Suzuka, são esperadas o ano todo devido a nova geração de carros da F1. Os pilotos afirmam que é muito divertido guiar por lá.

Suzuka é definitivamente uma das melhores pistas e onde eu amo correr. Creio que o carro que temos neste ano [na F1] fará ser incrível a corrida aqui, por conta do alto downforce e das curvas de alta velocidade, então estou realmente ansioso para o GP do Japão.

Stroll, companheiro de massa que pode terminar o final de semana na frente, não conhece a Suzuka. Depois de assistir na televisão e acompanhar notícias da F1, o novato está ansioso para correr. E comer, quando estiver disponível, ele diz.

Ouvi muitas coisas ótimas sobre essa pista. Todos os pilotos parecem adorar e me disseram que a torcida é ótima aqui também. Estou especialmente ansioso para correr em Suzuka e passar um tempo na Ásia. A pista teve algumas corridas clássicas e espero que tenha novamente neste ano. Sou um grande fã da comida“, falou Stroll.

Após o retorno do Mundial de F1 das férias, Stroll marcou 14 pontos. 04 pontos sobre Massa, que marcou apenas 10.

A Williams soma 65 pontos no campeonato de Construtores e vê a Renault se aproximando, com 52 pontos. O GP do Japão acontecerá no próximo dia 08 de outubro e o Grande Prêmio acompanha todas as atividades.

Fonte: Grande Prêmio, UOL.

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Piloto morre após acidente com carros históricos da F1

Na tarde da quinta-feira, feriado nacional do dia 7 de Setembro, uma notícia muito triste veio à tona ao mundo do automobilismo. Depois de sofrer um grave acidente durante a disputa pelo GP de Zandvoort, na Holanda, o piloto francês David Ferrer, com 61 anos, não resistiu aos ferimentos sofridos e veio a falecer. Já não é a primeira vez que um piloto morre durante a corrida na F1.

O GP era válido pelo campeonato de carros históricos da Fórmula 1 e a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) confirmou a notícia do falecimento por meio de comunicados oficiais.

É com grande pesar que a FIA lamenta comunicar que o piloto Sr. David Ferrer infelizmente sucumbiu aos ferimentos sofridos no acidente em Zandvoort. A FIA presta suas mais sinceras condolências à família e aos amigos do Sr. Ferrer neste momento difícil e espera que todos se lembrem do brilhante piloto que o Senhor [Ferrer] foi, afirmou ela.

O piloto David Ferrer estava a bordo de seu March 701. Foi enquanto o pilotava que subitamente acabou sofrendo um grave acidente nas pistas holandesas.

O piloto passou pelos primeiros socorros de imediato no local e transportado por helicóptero até o hospital. Ainda assim, na capital da Holanda, ele acabou por não resistir aos ferimentos sofridos.

Logo atrás, justamente no momento do acidente, o piloto Paul Tattersall vinha com seu Ensign N179. Ele descreveu como impressionante o acidente ocorrido e nos afirmou que escapou de sua morte por muito pouco.

Eu tive uma fração de segundo para decidir se ia para a esquerda ou para direita, diz o piloto muito nervoso. Graças a Deus eu escolhi a direita, senão teria batido no David, terminou ele com lágrimas nos olhos.

A Fórmula 1 perdeu um grande e histórico piloto, cuja falta será sentida em diversas competições. O que espera porém é poder amparar a família de Ferrer a partir de então.

 

Fonte: Notícias Terra

Para mais informações sobre os nossos serviços, clique aqui.

Stock Car: 3 carros da Cimed Racing entre os primeiros

Quem levará o prêmio anual do automobilismo nacional? Essa pergunta foi respondida em Curitiba com a definição do grid de largada da prova da Stock Car.

Três dos favoritos correm pela Cimed Racing, atual bicampeã da categoria. Ela colocou Marcos Gomes, Felipe Fraga e Cacá Bueno entre os sete melhores do grid de largada.

No treino classificatório, Marcos fez o terceiro melhor tempo (1:18:760). Felipe Fraga se colocou em quarto (1:19:065). Além de companheiros, são os dois últimos campeões: Marcos com o título de 2015 e Felipe com o de 2016.

Fui o piloto que mais largou na pole da Corrida do Milhão, com três conquistas, mas em todas estas ocasiões a vitória acabou escapando por pouco. Quem sabe agora largando na segunda fila a tão esperada conquista do Milhão chegue para mim. Estou feliz em largar entre os três primeiros, e por dentro aqui na primeira curva, algo importante em Curitiba, explicou Marcos.

Enquanto isso, Felipe relembrou fatos importantes.

No ano passado, ganhei a Corrida do Milhão também saindo na quarta colocação, então isso mostra que temos chance sim de levar este prêmio amanhã. Os dois primeiros colocados fizeram tempos muito bons, mas em ritmo de prova o carro da Cimed Racing tem mostrado ótimo desempenho.

Também tem expectativas Cacá Bueno, sétimo posicionado e pentacampeão.

Foi uma pena ficar de fora por apenas dois centésimos de segundo do Q3, mas sendo sincero seria muito difícil brigar pelo primeiro lugar. Mas em todo caso temos um ótimo carro com pneu usado e a Corrida do Milhão tem uma dinâmica bem interessante, com pit stop, troca de pneu, etc.

Depois de andar no Top10 nos treinos livres, Denis Navarro acabou fora do Q2 e sairá na 10ª posição.

Tínhamos potencial de entrar ao menos no Q2 pois ficamos em todos os treinos entre os 15 melhores. Vamos analisar e entender o que aconteceu entre uma sessão e outra para buscar nos recuperar. 

William Lube, chefe da equipe pela Cimed Racing, confia na vitória. Ele afirma ter carros muito bons em ritmo de prova e três dos sete melhores pilotos do Grid. Não bastando, tem muita confiança nos mecânicos do PitStop, fundamentais nessa etapa. Eles reabastecerão e trocarão dois pneus obrigatoriamente na corrida.

Lube diz ainda que está feliz em ver a evolução dos pilotos nessa etapa, com o melhor treino do ano. Ele lembra também que o time conquistou os dois últimos títulos da Stock Car e está ansioso pela vitória.

 

Fonte: F1 Mania.

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Felipe Massa na F1: aumento do preparo físico

Muito mais velozes, muito mais fortes: serão os carros encontrados na temporada de 2017 da Fórmula 1. Iniciando no próximo final de semana na Austrália, acompanharão os monopostos com pilotos altamente capacitados. Do jovem piloto holandês Max Verstappen ao veterano finlandês Kimi Raikkonen, os competidores deram atenção principalmente para o preparo físico, incluindo o querido piloto brasileiro Felipe Massa. Isso foi causado pelas novas regulamentações, que tornaram os carros mais pesados, rápidos e maiores.

Fernando Alonso, piloto espanhol bicampeão da Fórmula 1, concentrou seu treino em musculação e pedaladas. Já Carlos Sainz Junior optou por boxe e crossfit. Enquanto isso, Sebastian Vettel com quatro títulos, melhorou sua performance no badminton. O piloto Daniel Ricciardo, como a maioria, teve momentos intensos com treinamentos funcionais.

Massa, único brasileiro na competição, contratou um personal para acompanhá-lo 24h/dia durante as 20 etapas. “Estou me exercitando e treinando mais do que nunca. E, como estou com 35 anos, preciso trabalhar ainda mais. É um grande desafio”, declarou.

Essa preocupação acerca as novas regras da competição. Os carros desta temporada são até 40 km/h mais velozes nas curvas e atingem até 5G em trechos diretos.

Essas mudanças exigem muito mais esforço do coração de músculos dos pilotos. “Com os carros mais agressivos, estamos fortalecendo muito mais o pescoço e fazendo um trabalho cardiovascular mais intenso”, explicou o preparador de Felipe Massa, Alex Azevedo. A atenção ao pescoço está na sustentação da cabeça, que fica para fora do veículo.

A força da gravidade também exige um tronco muito mais forte, com um coração resistente. “A musculatura na região do abdômen e da lombar precisam se fortalecer para aguentar o tranco do carro, enquanto a frequência cardíaca do piloto pode atingir até 200 bpm durante a corrida.”, diz Azevedo. Em dez dias o piloto alcançou 2 kg de pura músculo.

Para dar conta de treinar todos os seus movimentos e músculos, Massa se inspira em diferentes técnicas. Crossfit, pilates, treinamento funcional e muitas outras atividades. “Fazemos um trabalho multidisciplinar, com parte aeróbica, anaeróbica, força, equilíbrio, coordenação motora, flexibilidade, além de concentração e raciocínio”, diz Azevedo.

O grande troféu de Massa está na sua experiência com carros maiores, com aderência e aceleração semelhante.

*Essa matéria foi desenvolvida com auxílio da Revista IstoÉ.

Para mais informações sobre os nossos serviços, clique aqui.

Pré-testes da F1 no Circuito da Catalunha

Foi realizado na Espanha o primeiro dia dos testes da pré-temporada Fórmula 1 no Circuito da Catalunha. Com os testes obtiveram diversas informações, como o alta desempenho da Mercedes, com a liderança de Lewis Hamilton. Foi a primeira vez em que todas as equipes colocaram seus carros juntos.

Hamilton quebrou o record de tempo fazendo 3s mais rápido que a melhor marca do ano anterior. O Circuito da Catalunha teve como seguindo lugar Sebastian Vettel, da Ferrari, que foi líder do circuito de 2016. Diminuir os tempos das voltas foi a principal meta do regulamento, o qual tornou os carros e pneus mais largos.

Abaixar os tempos de volta foi a principal meta do novo regulamento, que tornou os carros mais largos, assim como os pneus.

Uma das consequências do regulamento novo foi a volta das barbatanas de tubarão, que auxiliam no fluxo de ar da asa traseira. Somente a equipe da Mercedes não havia apresentado a solução, mas realizou os testes da sua versão moderna com Hamilton.

Hamilton assumiu o cockpit pela tarde, depois de Valtteri Bottas correr pela manhã. Bottas terminou o seu tempo em sexto lugar.

Os primeiro problemas também apareceram: com carros novos, muitas coisas parecem não estar dando tão certo, principalmente quanto às saídas da pista, ocorrido com as equipes da Red Bull e McLaren. Ambas as equipes também tiveram problemas com sensores e perderam tempo de pista. A McLaren ficou cerca de 7 horas parada nos boxes. Ao fim, o corredor Fernando Alonso conseguiu completar parte de seu programa.

A pré temporada da F1 durará duas semanas, sendo oito dias de atividade em pista total. O campeonato terá início com o GP da Austrália, no dia 26 de março.

*Esta matéria foi desenvolvida com auxílio do cadernos de Esportes da Uol.

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.