Grupo Hyundai: chave digital e muito mais em 2019

O Grupo Hyundai anunciou que lançará uma chave digital para modelos da Kia e da Hyundai ainda neste ano. A tecnologia Near Field Communication (NFC) permite travar e destravar o carro à distância, além de dar a partida sem a necessidade de uma chave física.

Um aplicativo deve ser baixado no smartphone do proprietário para garantir o acesso à chave digital e até quatro pessoas podem ter acesso a um mesmo veículo.

Já para ligar o motor, é preciso colocar o telefone e, uma base de carregamento sem fio no console central e apertar o botão Start/Stop no painel. As antenas NFC ficarão nas portas dianteiras e na base.

Alem disso, as preferências do usuário em relação às configurações do veículo também são ajustadas automaticamente, como posicionamento de espelhos, assentos e volante, controles dos sistemas de áudio, vídeo e navegação e exibição do head-up display.

A chave digital pode ser usada ainda para funções adicionais via Bluetooth, como ativar o alarme, travar e destravar as portas e acionar o motor remotamente. No futuro, automóveis equipados com sistema de estacionamento autônomo também poderão ser controlados pelo celular, segundo a Hyundai.

Outra característica do sistema é poder adaptar os níveis de acesso às funções do veículo, como predefinir a duração do uso ou limitar a conectividade de alguns recursos. Isso deverá ser utilizado com mais frequencia com a popularização do compartilhamento de carros, quando a chave poderá ser transferida apenas por meio do aplicativo.

Mas a chave física ainda não poderá ser totalmente abolida, uma vez que será necessária quando for preciso deixar o carro com um manobrista ou na oficina.

“Estamos estudando outras formas de aproveitar esse tipo de tecnologia de carros conectados para melhorar consideravelmente a experiência de dirigir e possuir um automóvel”, afirma Ho Yoo, líder do Grupo de Desenvolvimento Eletrônico do Hyundai Motor Group.

A chave digital, porém, não é algo tão novo no universo automotivo. Marcas como BMW, GM, Volvo e Tesla já utilizam tecnologia similar há alguns anos. Apesar de não oferecerem tantos recursos, a partida remota e o travamento e abertura das portas está disponível.

No Brasil, a BMW e a Mini oferecem funções como trancar e abrir o carro, buzinar, piscar os farois e ajustar o sistema de climatização da cabine por meio de um aplicativo. É preciso ter um chip de celular com pacote de dados instalado no veículo, mas não há cobrança para o uso.

Já a Volvo, por meio do programa On Call, permite controlar o travamento das portas, ajustar o ar-condicionado, dar a partida remota no motor e localizar o veículo. Os dois primeiros anos são gratuitos – a partir do terceiro ano, a renovação anual custa R$ 800.

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Caçador de Carros: dicas para comprar e dirigir carro automático usado

Até não muito tempo atrás, carros automáticos eram exceção no mercado brasileiro. Eram poucos modelos com essa opção de equipamento, sendo que pequena parcela saía da linha de produção com esse tipo de câmbio, destinado a um público específico. Câmbio automático, no Brasil, era coisa de motorista com alguma dificuldade física ou idade avançada.

Câmbio automático - dicas e truques de como usá-lo

Com a abertura aos modelos importados, nos anos 1990, aos poucos os câmbios automáticos foram se popularizando, enquanto o consumidor perdeu o preconceito. Ficou claro para os compradores que é bem mais fácil guiar um carro assim, mais confortável em situação de trânsito pesado.

No mercado atual, vemos uma tendência irreversível a favor dos automáticos. Algumas categorias nem oferecem mais a opção do câmbio manual.

Diante disso, o segmento de usados tem recebido cada vez mais veículos com câmbio automático. Se antes os motoristas tinham medo de comprar usados automáticos por conta de um possível custo de manutenção elevado, a grande variedade de modelos e a boa reputação de robustez que eles têm alcançado atualmente, faz com que a demanda só aumente.

Cuidados ao comprar carro automático

Quando você estiver diante de um carro usado com câmbio automático, vale a pena seguir alguns passos para poder fazer um bom negócio.

A primeira coisa é saber se o carro já passou por algum tipo de manutenção. Se for um carro com baixa quilometragem, é bem provável que nada tenha sido feito, mas se for o carro for um pouco mais rodado, é preciso saber se foi feito a troca do fluido da transmissão. Na dúvida sobre qual é o intervalo de troca indicado para o carro que está sendo avaliado, consulte o manual do proprietário.

O próximo passo é puxar a vareta de medição desse fluido, que é semelhante à vareta de medição do óleo do motor. Ali é preciso observar o nível e a coloração do fluido, que não pode estar escuro e nem com sinais de componentes metálicos.

Ao ligar o carro, verifique se aparece alguma anomalia no painel que recomende alguma manutenção no câmbio. Se isso acontecer, descarte o carro.

Para finalizar, dois testes, um com o carro parado e outro com ele andando. No primeiro, ligue o carro e coloque o câmbio na posição D. Com o pé esquerdo no freio, acelere o carro lentamente e observe o conta-giros no painel. A rotação não pode subir muito, tem que ficar no máximo dentro de 2.000 ou 3.000 rpm. Se passar disso, é sinal que o câmbio está patinando e deve ser descartado.

No segundo teste, observe as trocas de marchas, que devem ser feitas de maneira suave e imperceptível. Apenas o som do motor e o ponteiro do conta-giros podem acusar que a troca está sendo feita. Caso tenha algum tranco, verifique com um mecânico se não é um simples coxim de sustentação do câmbio que pode estar transmitindo essa sensação. Caso não seja isso, é porque tem algo de errado na parte interna e a compra deverá ser descartada.

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Porsche 911: primeiras impressões

O que dizer sobre a mais nova máquina Porsche?

É entrar no carro e perceber que, ali, as coisas são diferentes. Ignição do lado esquerdo. No centro do painel, o mostrador principal não é o velocímetro, mas um enorme conta-giros analógico. Ao dar a partida, o som do motor surge não da frente, mas da traseira do veículo.

Porsche 911 — Foto: André Paixão/G1

Com o Porsche 911, tem sido assim desde 1963. Não é à toa que a marca chama seu principal modelo de “máquina atemporal”.

Parar no tempo seria um erro fatal para a empresa, e os alemães sabem disso. A resposta é a oitava geração do Porsche 911, de codinome 992, que traz importantes avanços técnicos. O G1 participou do evento mundial de lançamento do novo 911, em Valência, na Espanha. Por aqui, o esportivo só desembarca em maio, inicialmente nas versões Carrera S e Carrera 4S.

A versão dos anos 70 também serviu de referência para os designers da Porsche criarem as formas básicas do interior, seguindo o estilo minimalista e dispondo a maior parte dos instrumentos horizontalmente.

No modelo 2019, a simplicidade reina. Nenhum elemento parece ser desnecessário ou estar fora de posição. O trabalho foi tão bem feito, que o 911 que se despede do mercado teve sua cabine envelhecida uns 10 anos quase que instantaneamente.

Há menos botões, e os que restaram, foram posicionados de forma mais intuitiva.

O mesmo acontece com a enorme central multimídia de 10,9 polegadas. Ele subiu, e foi reposicionado acima das saídas de ventilação.

Se preserva um ar nostálgico, a geração 992 avança em diversos outros aspectos, que prometem manter o Porsche na vanguarda dos esportivos.

Segundo a fabricante, ele já está pronto para se tornar um veículo híbrido – mas isso só deve acontecer daqui alguns anos.

No momento, o 911 dispõe de eixo traseiro direcional, controle ativo do spoiler traseiro e das entradas de ar no para-choque dianteiro e assistente de visão noturna com câmera termográfica, que identifica pessoas e animais.

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Caminhoneiro é refém durante explosão de carro-forte

Um caminhoneiro de 38 anos teve seu veículo usado por uma quadrilha para bloquear a estrada e explodir um carro-forte em São Carlos (SP) na noite de sábado (9) foi feito refém durante a ação e achou que seria morto. Ele foi obrigado a rodar por 30 minutos com os assaltantes que fugiram com cerca de R$ 2 milhões, segundo a Polícia Militar. Por enquanto ninguém foi preso.

Grupo bloqueou estrada para explodir carro-forte em São Carlos — Foto: Arquivo pessoal

O caminhoneiro, que preferiu não se identificar, contou que foi encapuzado e obrigado a entrar em um veículo. Após o roubo, os assaltantes não falaram mais nada.

“Eram bem profissionais e sabiam o que estavam fazendo. Ficaram quietos, não teve apavoro. Achava que iam me matar. Do jeito que fizeram tudo aquilo, o que iriam querer comigo? Para eles, eu não era nada ali dentro. Pensava na minha família a todo momento”, relatou o motorista que é casado e pai de dois filhos.

Susto

O motorista contou que o caminhão pertence a uma empresa e que antes de ser surpreendido pelo assaltantes estava trabalhando com munck (guindaste comandado hidraulicamente) erguendo alguns postes.

O veículo já estava sem carga e seguia por uma estrada de terra quando três suspeitos armados entraram na frente do caminhão e obrigaram o motorista a parar.

Um dos homens entrou na cabine e ordenou que a vítima seguisse pela Rodovia Engenheiro Thales de Lorena Peixoto Júnior (SP-318), que liga a cidade a Ribeirão Preto, até o km 252+900 e parasse o caminhão atravessado para bloquear os dois sentidos da estrada.

“Ele falou para eu não olhar nem para o lado para não dar problema. Depois mandou eu descer e correr. Corri, mas outro assaltante mandou eu voltar. Me encapuzaram e me colocaram dentro de um veículo, não sei se era carro ou caminhonete. Não vi nada, só escutei os barulhos de tiros e explosões”, relatou o motorista.

O caminhoneiro foi libertado em um canavial. Ele contou que andou aproximadamente 3h e meia até chegar próximo a uma usina em Descalvado (SP).

Fonte: G1

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.

Os melhores momentos da temporada do Jaguar I-PACE eTROPHY

Primeiro campeonato com carros de turismo totalmente elétricos no mundo, o Jaguar I-PACE eTROPHY será decidido nos dias 13 e 14 de julho com dois brasileiros na disputa pelo título: Cacá Bueno e Sérgio Jimenez.

Jaguar I-PACE eTROPHY

Líder do campeonato, Jimenez mostrou uma boa constância ao longo da temporada. O piloto de Piedade (SP) conseguiu subir no pódio em sete das oito corridas. Com isso, Jimenez tem chances matemáticas maiores de sair com o título na disputa com o americano Bryan Sellers, vice-líder, e Cacá, que é o terceiro no campeonato e recordista de vitórias na temporada.

A disputa por essa conquista inédita, porém, está totalmente aberta, já que a etapa final em Nova York será no formato de rodada dupla, com uma corrida em cada dia.

Confira os principais momentos da temporada:

1ª etapa – Ad Diriyah – 15/12/2018

O Jaguar I-PACE eTROPHY ainda era uma novidade para todos os pilotos e quem saiu na ponta do campeonato foi o neozelandês Simon Evans, que conquistou a pole position e venceu a corrida de abertura na Arábia Saudita de ponta a ponta. Jimenez foi o segundo colocado após conseguir a melhor ultrapassagem da corrida na última volta sobre Sellers, que fechou o pódio em terceiro lugar. Cacá foi o quarto colocado.

2ª etapa – Cidade do México – 16/02/2019

Desta vez quem brilhou foi a britânica Katherine Legge, que conquistou a pole position e venceu a corrida no Autódromo Hermanos Rodriguez. A pista que foi usada para esta corrida, inclusive, pegava um trecho do traçado que é usado na F1.

O pódio foi completado por Sellers e Jimenez, enquanto que Cacá foi tirado da pista pelo mexicano Salvador Durán quando disputavam a terceira posição. Apesar disso, Cacá mostrou superação e ainda conseguiu cruzar a linha de chegada em quarto lugar.

3ª etapa – Hong Kong – 10/03/2019

O principal desafio da etapa de Hong Kong foi a pista molhada, uma novidade para os pilotos na corrida. Cacá conquistou a primeira pole da equipe Jaguar Brazil Racing na temporada, mas a vitória ficou com Sellers, que assumiu a liderança do campeonato.

Por causa de problemas no carro, Jimenez não conseguiu participar do classificatório e precisou largar no final do grid. Mesmo assim, o piloto paulista conseguiu ultrapassar vários carros e chegar em terceiro, logo atrás de Legge. Cacá, que liderou a parte inicial da prova, fechou em quarto após escapar com o carro na curva 1.

Fonte: iCarros

Para mais informações sobre nossos serviços, clique aqui.